Vale do Araguaia: Atendimento de Saúde Odontológica aos Policiais Militares

0

A Fundação Pró-Tocantins por meio da equipe composta pelo Major João Henrique, Cabo Fernandes Neto e Auxiliar Ione, realiza esta semana na região do Vale do Araguaia, especificamente nos município de Caseara, Marianópolis e Divinópolis, atendimento odontológico aos policiais militares e seus dependentes.

Projeto visa levar atendimento odontológico de qualidade a todos os militares do Tocantins, em especial aos que moram no interior do estado e não tem acesso direto a estes tratamentos. Os atendimentos fazem parte da missão da Fundação de proporcionar mais qualidade de vida e saúde aos militares.

Dessa forma, o Odontomóvel passará por todas as regiões do estado durante o ano, e realizará cerca de 2 mil atendimentos até o fim de 2018. Os procedimentos mais realizados são: Dentística restauradora, raspagens de tártaros, profilaxias dentárias, aplicação tópicas de fluor, extração de dentes e orientação sobre a higiene bucal.

Há também, sendo realizado simultaneamente em outras regiões do Estado, o Projeto Qualidade de Vida, por Toda Vida. Que visa melhorar a qualidade da saúde dos participantes, promovendo assim atenção Básica à Saúde nas companhias independentes e batalhões da PM e BM, a partir de uma equipe multidisciplinar. Nesse projeto são aferidos índices de Glicemia, IMC e pressão, para que seja avaliadas formas de  programar medidas preventivas e melhorar qualidade de vida dos militares.

Além dos próprios policiais militares, o atendimento e também estendido aos seus familiares que preencham os seguintes requisitos:

I – Cônjuge ou companheira (o), desde que apresentado certidão de casamento, escritura pública

de união estável;

II- Os filhos menores de 18 (dezoito) anos;

III- Filhos maiores de 18 (dezoito) anos e menor de 24 (vinte e quatro) anos, desde comprovado

ser estudante do nível superior;

IV- Os menores de 18 (dezoito) anos que estejam sob a guarda judicial do Beneficiário Titular,

seja ela provisória ou definitiva.

V- Filhos, que por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento

para a prática dos atos civis, e ou os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir

sua vontade.

Fonte: Ascom Fundação Pró Tocantins

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.