Assessores de deputado suspeitos de integrar esquema de servidores fantasmas deixam prisão

0

Os três servidores do gabinete do deputado estadual Valdemar Junior (MDB), presos em uma operação da Polícia Civil na última quarta-feira (19), foram soltos. Eles são suspeitos de participar de um esquema de servidores fantasmas. A Polícia Civil investiga a existência de pelo menos cinco servidores fantasmas no gabinete do parlamentar.

A assessora de gabinete Luciele Roquete Araujo saiu da unidade prisional por volta das 14h desta sexta-feira (21). O advogado Zenil Drumond disse que pediu que a prisão preventiva fosse convertida em prisão domiciliar porque ela é mãe de um bebê de nove meses e está no período de amamentação.

Ao G1, o advogado disse que a prisão de Luciele foi totalmente desnecessária e promovida por motivos egoísticos. A respeito do mérito do caso, a defesa informou que vai se pronunciar, pois o processo corre sob sigilo e ainda não teve acesso aos autos.

O juiz Luiz Zilmar dos Santos deferiu o pedido desde que ela compareça aos atos processuais para os quais for intimada, permaneça no domicílio informado e forneça número com whatsapp para possibilitar que a polícia realize vídeo chamada a qualquer hora, com visão do lugar onde ela estiver.

Os outros dois presos, o chefe de gabinete Dional Vieira de Sena e o assessor Dorismar José Benedito Júnior, saíram da Casa de Prisão Provisória de Palmas, por volta de meio-dia, segundo o advogado Jander Araújo. Eles também foram soltos, sob a condição de cumprir medidas cautelares.

O advogado disse que a prisão é injustificável e que os clientes não têm qualquer participação nas acusações. Informou também que, assim que tiver acesso aos autos, comentará o caso.

Entenda

Os três servidores públicos foram presos durante mais fase da operação Catarse, que investiga existência de servidores fantasmas e crimes contra o erário público. No dia da prisão, a polícia informou que há indicativos de que existem dezenas de servidores que recebem sem trabalhar dentro da Assembleia Legislativa.

Segundo o delegado Cassiano Oyama, as investigações começaram após uma denúncia anônima feita com riqueza de detalhes. Os assessores presos estariam coagindo e instruindo testemunhas sobre o que deveriam contar à policia. “Diante disso começaram a instruir testemunhas e até, em um nível mais avançado, fazer ameaças a essas testemunhas. Isso deu ensejo a prisão preventiva.”

O delegado contou que o esquema funcionava da seguinte maneira: os servidores fantasmas recebiam, em média, R$ 2,5 mil por mês e eram obrigados a devolver a maior parte do salário. Os assessores parlamentares agiam como coletores destes recursos.

A investigação conta com gravações telefônicas e comprovantes de transferências bancárias. “Nós temos comprovados cinco fantasmas nesse gabinete, mas existe indicativo de dezenas de fantasmas desse mesmo esquema de devolução do salário na Assembleia inteira. Não se dirige a apenas um gabinete.”

Os servidores fantasmas deveriam devolver até o dinheiro que recebiam pelo 13º salário. Ainda segundo o delegado, já existem indícios de que o esquema também funcionava em outros dois gabinetes de deputados. Porém, ainda não há ligação de parlamentares com os crimes.

“A investigação aponta que há uma organização criminosa. Ela tem níveis hierárquicos e uma escala organizada de tarefas de cada membro. O fantasma deve assinar pontos falsos, receber o salário, sacar a grande maioria e devolver para os coletores, que estão dentro dos gabinetes. A Polícia Civil chegou até os coletores, por enquanto. O objetivo é chegar até o destinatário final”, disse o delegado.

Operação Cartase

A Operação Catarse é uma força-tarefa de várias delegacias do estado para investigar danos ao erário público. As investigações começaram após denúncias de funcionários fantasmas do governo do Estado em Araguaína, norte do Tocantins.

Depois, mandados foram cumpridos na Secretaria-geral de Governo, no Palácio Araguaia, onde os agentes encontraram indícios de que 300 funcionários estariam recebendo sem trabalhar.

Fonte: https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2018/12/21/assessores-de-deputado-suspeitos-de-integrar-esquema-de-servidores-fantasmas-deixam-prisao

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.